Postagens populares

quinta-feira, 25 de junho de 2009

QUIM.. BIOL.. PORT...

O bicho-preguiça desce ao chão apenas
para fazer suas necessidades fisiológicas; seu principal predador é a onça
Centenas de embarcações dão um colorido especial à
orla de Parintins durante o Festival Folclórico
Foto: Agecom
• Química – Funções nitrogenadas
pg. 02
• Química – Estudo dos gases
pg. 04
• Biologia – Introdução à zoologia
pg. 06
• Biologia – Sistema hormonal ou
endócrino
pg. 08
• Literatura – Modernismo I
pg. 10
2
Aproveitando o potencial turístico do
município de Parintins, a Universidade do
Estado do Amazonas lança mais um projeto
de extensão para a comunidade: “A Arte de
Aprender uma Nova Língua”, curso de
inglês gratuito que será desenvolvido em
duas etapas, em parceria com Associação
dos Triciclistas e Artesãos do Município.
Com 80 vagas, a primeira etapa foi realizada
no período de 28 de maio a 8 de junho.
Essas categorias profissionais necessitam
de noções básicas de inglês, pois muitas
vezes são os responsáveis pela condução
de turistas estrangeiros, cujo fluxo aumenta
na temporada de transatlânticos que
incluem a rota da Amazônia no roteiro de
viagem e, ainda, durante o Festival
Folclórico de Parintins.
Os artesãos têm encontrado dificuldades ao
comercializarem seus produtos no cais
nessa temporada, por não dominarem o
idioma. Idealizado pelo professor Francisco
Lúcio Pinto de Almeida, o projeto tem como
objetivo orientar esses profissionais sobre o
que fazer para estabelecer de forma eficiente
a comunicação com os turistas estrangeiros.
A segunda etapa será realizada após o
Festival Folclórico de Parintins.
O projeto é inovador em função de sua
estruturação. Os professores serão os alunos
do curso de Licenciatura em Letras da UEA
em Parintins. Quatro deles, de maior fluência
e já com experiência no ensino da língua,
atuarão diretamente com os alunos em sala
de aula. O restante deve trabalhar na
elaboração do material didático para, dessa
forma, envolver todos os alunos no projeto,
que já desperta o interesse de outras
categorias, como os pequenos comerciantes,
afirma o coordenador do projeto.
Por um lado, o projeto faz que os alunos
desenvolvam a parte prática daquilo que
estão aprendendo na Universidade e, por
outro, reforça a cidadania desses profissionais,
que recebem da Universidade um
projeto gratuito de qualificação de mão-deobra.
O Curso de Letras da UEA é oferecido
prioritariamente no interior do Estado e
destina-se à formação de profissionais para
atuarem prioritariamente no ensino de
Língua Portuguesa e Literatura Brasileira e
no ensino de Língua Inglesa em caráter
complementar. É oferecido em Parintins,
Tefé e Tabatinga.
Artesãos e triciclistas de
Parintins terão aulas de
Inglês na UEA Funções nitrogenadas
Aminas
São compostos derivados teoricamente do
NH3, pela substituição de um, dois ou três
hidrogênios por radicais alquila.
Classificam-se em:
• Primárias: quando se ligam a um radical.
R –– NH2
• Secundárias: dois radicais.
R
NH2
R’
• Terciárias: três radicais.
R –– N –– R”

R’
Nomenclatura:
______________________ AMINA
Nome dos radicais
Em compostos mais complicados, pode-se
considerar o grupo –NH2 como sendo uma
"ramificação", indicando-o pelo prefixo amino.
Exemplos:
CH3 –– CH2 –– NH2 etilamina
CH3 –– CH2 –– NH –– CH3 metil-etilamina
CH3 –– N –– CH3 trimetilamina

CH3
A Química do dia-a-dia
Aminas: A fenilamina (anilina) é um líquido
incolor, tóxico, usado na síntese de corantes e
de medicamentos (sulfas).
A substância responsável pelo cheiro de peixe
podre é a trimetilamina. Após mexer com peixe,
recomenda-se lavar as mãos com limão ou
vinagre, que, por conter ácidos, reage com a
amina, que tem caráter básico.
Diversos compostos importantes encontrados
em nosso organismo, assim como diversos
nutrientes, são aminas. O nome vitamina vem de
"vital amina". O aminoácido é uma substância
que apresenta duas funções: amina e ácido.
A putrescina e a cadaverina são as aminas responsáveis
pelo cheiro da carne podre dos animais.
Caiu no vestibular
(UEA)A trimetilamina pode ser
considerada como:
H3C –– N –– CH3
CH3
a) amina primária;
b) amina secundária;
c) amina terciária;
d) n.d.a.
Solução:
Letra c. É classificada como amina terciária por
estar ligada a 3 radicais metil(a).
Amidas
São compostos derivados teoricamente do NH3,
pela substituição de um, dois ou três hidrogênios
por radicais acila.
O radical funcional da amida é:
O
–– C
NH2
No estudo desses compostos, são interessantes
as amidas primárias e as amidas N-substituídas.
Observe:
O
CH3 –– CH2 –– C
NH2
Nomenclatura:
Amida primária
Trocamos a terminação ÓICO do ácido
correspondente pela palavra amida:
O
CH3 –– CH2 –– C propanamida
NH2
Amida N-substituída
Escrevemos a letra N, seguida do nome dos
radicais, e completamos o nome da amida
primária correspondente.
N-metil N-fenil propanamida
Classificação das amidas:
Primárias: possuem um único grupo funcional
ligado ao nitrogênio.
Exemplo:
O
CH3 –– CH2 –– C
NH2
Secundárias: possuem dois grupos.
Exemplo:
O
H3C –– C
N –– H
H3C –– C
O
Terciárias: possuem três grupos.
Exemplo:
O O
H3C –– C
N –– C –– CH3
H3C –– C
O
Amidas: A uréia, diamida do ácido carbônico, é o
produto final do metabolismo animal, sendo
largamente utilizada como adubo, em alimentação
do gado e em cosméticos.
Nitrocompostos
São compostos orgânicos derivados da
substituição de um hidrogênio da cadeia
carbônica pelo NO2.

–– C –– NO2

Nomenclatura:
Nitro ____________________________
Hidrocarboneto correspondente
Exemplos:
Nitrobenzeno
Nitrilas
São compostos orgânicos derivados do ácido
cianídrico.
Nomenclatura:
Oficial:
______________________ NITRILA
Hidrocarboneto
Usual:
CIANETO DE ________________
Radical
Química
Professor MARCELO Monteiro
3
Desafio
Químico
01. Dê o nome dos compostos seguintes:
a)
b)
O
c) CH3 –– CH ==CH –– C
OH
d) CH3 –– CH ==CH –– COO–Na+
O
e) H3C –– C
NH2
02. Entre as opções abaixo, a estrutura que
pertence à classe das aminas é:
a) H3C –– CN
b) CH3 –– C == C –– COOH

CH3 CH3
c) H3C –– NH2
d) H2C ==N –– OH
03. Qual é o nome da molécula representada
abaixo?
CH3 – CH – CH2 – NH2

CH3
a) metil-3-aminopropano;
b) metil-n-propilamina;
c) isobutilamina;
d) t-butilamina;
e) s-butilamina.
04. O composto representado abaixo é:
CH3

CH3 –– C –– CN – CH3

CH3 H
a) uma amina primária;
b) uma amina secundária;
c) uma amina terciária;
d) um sal quaternário de amônio;
e) uma amina alifática.
05. O composto CH3 –– CH –– C ≡≡ N

CH3
denomina-se:
a) metiletanonitrila;
b) metiletanoamina;
c) metiletanoamida;
d) metiletanonitrila;
e) metilpropanonitrila.
Exemplos:
CH3 – CN etano nitrila ou cianeto de metila
CH3 – CH2 – CN propano nitrila ou cianeto de
etila
Nitrilas: As nitrilas são tóxicas, embora tenham
menor toxidade que o gás cianídrico (cheiro de
gás mostarda).
A partir do cianeto de vinila, conhecido como
acrilonitrila, obtêm-se as lãs sintéticas.
Isonitrilas
São compostos derivados do ácido isocianídrico.
Nomenclatura:
Oficial:
__________________ ISONITRILA
Hidrocarboneto
Usual:
ISO-CIANETO DE _______________
Radical
Exemplo:
CH3 – NC Metano isonitrila ou Iso-cianeto de
metila
Polaridade em compostos
orgânicos
Para a correta determinação das propriedades
físicas dos compostos orgânicos, é necessário o
conhecimento de suas polaridades, dependendo
da presença – ou não – de determinado grupo
funcional.
Observe o resumo das principais funções
orgânicas com suas respectivas polaridades.
Hidrocarbonetos
São moléculas simétricas e, portanto, apolares.
O somatório dos vetores-polaridade será sempre
zero, independente do tamanho e do tipo de
hidrocarboneto.
Por serem moléculas apolares apresentam
ligações intermoleculares de Van der Walls.
Éter, Aldeído e Cetona
São moléculas ligeiramente polares devido à
presença do heteroátomo oxigênio (éter) ou da
carbonila (aldeído e cetona)
As moléculas acima não apresentam ligações
de hidrogênio com oxigênio, logo apresentam
interações de dipolo-dipolo.
Álcool e ácidos carboxílicos
São moléculas polares apresentando ligações
de pontes de hidrogênio devido ao grupo
hidroxila (OH).
As moléculas de ácido carboxílico apresentam
uma polaridade mais acentuada que os álcoois
devido à presença da carboxila em seu
grupamento funcional.
Resumindo:
Observação – Quanto maior for o radical
orgânico R das funções apresentadas, menores
são suas respectivas polaridades. Com isso, é
comum definir os álcoois como moléculas
bipolares.
Observe:
Solubilidade em água
A solubilidade de um composto é determinada
pela seguinte regra: "Semelhante dissolve
semelhante". Logo, solventes polares dissolvem
substâncias polares, e solvente apolares,
substâncias apolares.
Os hidrocarbonetos, por serem apolares,
apresentam pouca solubilidade em água (polar).
Assim, a gasolina (mistura de octano e
heptano), o querosene, o óleo diesel formam
sistemas heterogêneos com a água.
Já os álcoois formam misturas homogêneas
com a água, por possuírem hidroxila (radical
polar). Porém, quanto maior for o tamanho da
cadeia do álcool menor será sua solubilidade.
Observação – Como a molécula de álcool é
bipolar, pode ser dissolvida tanto em água
(polar) como em gasolina (apolar).
Exercícios
01. Quando um dos hidrogênios da
amônia é substituído por um radical
fenila o composto resultante é:
a) Nitrila.
b) Imida.
c) Amida.
d) Nitrocomposto
e) Amina.
02. O nome do composto abaixo é:
a) dimetilfenilamina.
b) Metilcicloexilamina.
c) Metilfelinamina.
d) N-metilcicloexilamina.
03. Os compostos orgânicos nitrogenados
provenientes da substituição de –OH
dos ácidos carboxílicos por –NH2 são
chamados:
a) aminas.
b) Amidas.
c) Nitrilas.
d) Ésteres.
e) Sais de amônio.
4
01. Um cilindro com êmbolo móvel contém
100ml de CO2 a 1,0 atm. Mantendo a
temperatura constante, se quisermos
que o volume diminua para 25ml, teremos
de aplicar uma pressão igual a:
a) 5 atm b) 4 atm c) 2 atm
d) 0,4 atm e) 0,1 atm
02. Um gás está preso em um cilindro
com êmbolo móvel. Mantendo-se a
temperatura constante, se a pressão P
do gás passar para 3P, o volume V:
a) passará para V/3 b)passará para 3V
c) passará para V+3 d)passará para V-3
e) não sofrerá alteração
03. (AMAN-RJ) Chamando K de constante
de proporcionalidade, P de pressão e V
de volume , podemos afirmar que a
expressão PV=K refere-se a uma lei
para os gases que é atribuída a:
a) Gay-Lussac b) Charles c) Boyle
d) Clapeyron e) Dalton
04. (PUC-RS) De acordo com a lei de
Robert Boyle (1660), para proporcionar
um aumento na pressão de uma
determinada massa gasosa numa
transformação isotérmica, é necessário:
a) aumentar seu volume
b) diminuir sua massa
c) aumentar sua temperatura
d) diminuir seu volume
e) aumentar sua massa
05. (FIA-SP) Uma amostra de nitrogênio
gasoso ocupa um volume de 20ml a
27°C e á pressão de 800 mmHg .Que
volume ocuparia a amostra sob 0 °C e
800mmHg?
a) 20,2 ml b) 19,5 ml c) 18,2 ml
d) 12,5 ml e) 10,2 ml
06. (ITA-SP) A pressão total no interior de
um pneu era de 2,30atm quando a
temperatura do pneu era de 27°C.
Depois de ter rodado certo tempo com
esse pneu, mediu-se novamente sua
pressão e verificou-se ela era agora de
2,53 atm. Supondo uma variação do
volume do pneu despresível, a nova
temperatura será igual a:
a) 29,7°C b) 57,0°C c) 33,0°C
d) 330°C e) n.d.a
07. (Unifor–CE) Um recipiente de 24,6L
contém 1,0 mol de nitrogênio exercendo
a pressão de 1,5 atm. Nessas
condições, a temperatura do gás vale,
na escala Kelvin:
a) 30,0 b) 40,0 c) 45,0
d) 300 e) 450
Desafio
Químico Estudo dos gases
Teoria cinética dos gases
Características de uma substância no estado
gasoso: não tem forma e nem volume próprios.
Um gás tem a forma do recipiente onde está
contido e ocupa todo o espaço limitado pelas
paredes do recipiente. O volume de um gás é o
volume do recipiente onde está contido.
Modelo do estado gasoso (teoria cinética dos
gases).
Um gás é constituído por moléculas isoladas,
separadas umas das outras por grandes espaços
vazios em relação ao seu tamanho e em contínuo
movimento de translação, rotação e vibração.
Gás ideal
Gás ideal ou gás perfeito – É um modelo
teórico. É um gás que obedece às equações
p . V/T = k e p . V = n . R . T, com exatidão
matemática.
Na prática, temos gases reais. Um gás real
tende para o gás ideal quando a pressão tende
a zero e a temperatura se eleva.
Lei de Boyle – À temperatura constante, o
volume ocupado por uma quantidade fixa de um
gás é inversamente proporcional à sua pressão.
P . V = k = constante
Lei de Charles e Gay-Lussac – A volume
constante, a pressão de uma massa fixa de um
gás varia linearmente com a temperatura do gás
em graus Celsius.
À pressão constante, o volume de uma massa
fixa de um gás varia linearmente com a
temperatura do gás em graus Celsius.
Com a introdução da escala absoluta, as leis de
Charles e Gay-Lussac foram assim enunciadas:
• A volume constante, a pressão de uma massa
fixa de gás é diretamente proporcional à
temperatura absoluta do gás.
• À pressão constante, o volume de uma massa
fixa de gás é diretamente proporcional à
temperatura absoluta do gás.
Equação geral dos gases perfeitos
p . V p1 . V1 p2 . V2 –––––– = k ou ––––––– = –––––––
T T1 T2
(número de mols constante)
Volume molar de um gás
Volume molar é o volume de um mol de
substância.
O volume molar de um gás é constante para
todos os gases a uma mesma pressão e
temperatura.
Nas CNTP (T = 273K e 1atm ), o volume molar
é igual a 22,4 /mol.
Densidade de um gás nas CNTP:
M
dCNTP = –––––– g/L
22,4
Densidade de um gás a uma pressão p e
temperatura T:
P . M
d = ––––––
R . T
Densidade de um gás A em relação a um gás B:
MA dA, B = –––––
MB
Densidade de um gás A em relação ao ar:
MA MA dA, ar = ––––– = –––––
Mar 28,8
Estudo dos gases
Os gases estudados nesta apostila são idealizados
(Gases Ideais), mesmo porque seria muito
difícil se levássemos em conta todos os detalhes
referentes à cada gás que existe na natureza.
Para facilitar, vamos simplificar as coisas.
Características dos gases ideais:
• é formado por muitas partículas em movimento
constante e caótico (desordenado);
• as partículas que formam o gás são todas
idênticas (pontuais, rígidas e com mesma
massa);
• as forças de atração e repulsão entre as
partículas são desprezíveis, elas só interagem
entre si quando uma choca-se contra a outra
(lei da ação e reação);
• os choques entre as partículas são considerados
elásticos (ideais);
Variáveis de estado de um gás.
Para você saber caracterizar um gás, e resolver
a maioria dos problemas que surgirem pela
frente, relacionados a este tema, é necessário
entender e saber trabalhar com três grandezas
que são importantíssimas para um gás: a sua
temperatura, o seu volume e a sua pressão.
Temperatura
Mede o nível de agitação das partículas do gás
(átomos ou moléculas). A unidade usada aqui
para esta grandeza, no sistema internacional
(SI), é o kelvin (K).
Volume
É a medida do espaço tridimensional ocupado
pelo gás. A sua unidade, no SI é o m3 , mas
algumas vezes o litro ( ) será utilizado. Observação:
o volume de um gás sempre será igual
ao volume do recipiente ocupado pelo mesmo.
Pressão
É a medida da força aplicada pelo gás em cada
m2 das paredes do recipiente ocupado pelo
mesmo. Observação: Esta força é aplicada
pelas partículas do gás que se chocam contra
as paredes do recipiente. A sua unidade no SI é
o N/m2 , mas outra unidade também utilizada é
a atmosfera.
(1atm = 105 N/m2).
A energia interna (U) de um gás ideal
A energia interna de um gás existe basicamente
devido ao movimento de cada partícula que o
compõem. A energia de cada partícula
individual do gás pode ser encontrada usandose
a seguinte equação:
mo . v2
Ec = ––––––––
2
Ec é a energia cinética de cada partícula do gás
(medida em Joules), mo é a massa de cada
partícula do gás (medida em kg) e v é a
velocidade de cada partícula do gás (medida
em m/s).
Naturalmente, para que possamos calcular a
energia interna do gás (U), teríamos que somar
as energias cinéticas de cada uma das
partículas que formam este gás, e como são
muitas, o trabalho seria descomunal. Por isso,
vamos seguir um outro caminho.
Química
Professor CLÓVIS Barreto
5
Sabemos que a velocidade estatística média de
todas as partículas de um gás pode ser
calculada usando-se a seguinte expressão:
R é a constante universal dos gases (8,31
J/mol.K ou 0,082 atm.l /mol.K), T é a
temperatura medida em Kelvin (K) e M é a
massa molecular do gás.
Sabemos também que a massa total do gás
pode ser dado pela expressão:
m = n . M
n é o número de mols do gás e M é a massa
molecular do mesmo.
Então, ao invés de somarmos todas as energias
de cada partícula vamos substituir na primeira
fórmula o valor da massa total do gás e o valor
da velocidade estatística média de suas
partículas. Fazendo isso encontraremos a
seguinte expressão, que serve para calcular a
energia interna (U) de um gás ideal
monoatômico:
U = 3 n.R.T
2
Você já sabe o significado de cada uma das
letras contidas nesta equação.
Vamos recordar o que é número de mol (n).
É só uma maneira mais fácil de expressar
quantas partículas existem em determinado
sistema. Por exemplo, um mol de átomos de
oxigênio possui 6,023 x 1023 átomos de
oxigênio. Um mol de moléculas de qualquer
gás possui 6,023 x 1023 moléculas deste gás.
Obs.: Note que substituindo o valor da
constante universal dos gases (R) na equação
da velocidade estatística média obteremos
uma outra equação mais simples, porém
aproximada, que pode também ser usada para
determinar a velocidade média de cada partícula
do gás.
Relação entre energia cinética média de cada
partícula e a temperatura.
Já que a energia interna de um gás depende da
agitação das suas partículas, e a temperatura é
a grandeza que mede o nível de agitação destas
mesmas partículas, será que podemos afirmar
que, se tivermos dois gases, um com
temperatura de 300K e outro com temperatura
de 500K, o que tiver maior temperatura terá
também necessariamente maior energia interna?
A resposta é... não !!!
A temperatura não depende do número de
partículas, mas a energia interna sim. Se eu tiver
somente cinco partículas muito agitadas dentro
de um recipiente A, e um milhão de partículas
menos agitadas dentro de outro recipiente B, o
recipiente A terá maior temperatura que o
recipiente B (pois suas partículas estão mais
agitadas), mas a soma das energias de todas as
suas cinco partículas dará menos do que a soma
das energias de todas as partículas do recipiente
B (pois B tem muito mais partículas). Então a
energia interna de B será logicamente maior.
A relação entre a energia cinética média por
molécula e a temperatura T do gás é
dada pela equação de Boltzmann.
= 2 . 10–23 . T → Equação de Boltzmann
Você pode ouvir falar da constante de
Boltzmann, representada pela letra k. Na
verdade ela é encontrada dividindo-se a
constante universal dos gases (R = 8,31
J/mol.K) por 6,023 x 1023 que acaba dando, no
SI, k =1,38 x 10-23J/K. Ou seja:
8,31
k = –––––––––––– = 1,38 x 10-23 J/K
6,023 x 1023
Lei geral dos gases
Esta lei é válida somente quando o número do
mols do gás não muda, ou seja, quando sua
quantidade dentro do recipiente não muda.
P1.V1 P2.V2 –––––– = –––––––
T1 P2
P1 ; V1 ; T1 = pressão, volume e temperatura
antes de se mudar qualquer uma destas variáveis
de estado. P2 ; V2 ; T2 = pressão, volume e
temperatura depois de se mudar alguma destas
variáveis de estado.
Equação de Clapeyron
Esta equação foi formulada quando descobriu-se
que volumes iguais de dois gases, nas
mesmas condições de temperatura e pressão,
contém o mesmo número de moléculas.
P.V = n.R.T
Esta equação também é conhecida como
equação de estado.
Transformações gasosas
Transformação isobárica – a pressão do
sistema se mantém constante durante a
transformação.
Transformação isovolumétrica (isométrica ou
isocórica) – o volume do sistema se mantém
constante durante a transformação.
Transformação isotérmica – a temperatura do
sistema se mantém constante durante a
transformação.
Diagramas P x V para as três transformações
acima
São gráficos que mostram a relação entre a
pressão e o volume em cada um dos tipos de
transformações estudadas acima.
1. Diagrama P x V para a transformação isobárica
Como na transformação isobárica a pressão se
mantém constante, o diagrama acaba ficando
da maneira como está representada acima.
2. Diagrama P x V para a transformação
isovolumétrica
Como na transformação isovolumétrica, também
conhecida como isocórica ou isométrica, o
volume permanece sempre o mesmo, o
diagrama acaba ficando da maneira como está
representado acima.
3. Diagrama P x V para a transformação
isotérmica
Neste caso, é a temperatura que se mantém
constante durante a transformação, e a pressão
e o volume variam de acordo com o gráfico
representado acima.
Aplicações
01. Um volume de 0,8L corresponde a
quantos centímetros cúbicos?
Solução:
Conversões de unidade de volume são facilmente
executadas utilizando-se a regra de três:
1 L –––––––– 1.000cm3
0,8 L –––––––– x
X = 0,8 . 1000 = 800cm3
02. A pressão de um certo gás é de 0,5atm
corresponde a quanto em mmHg?
Solução:
Regra de três:
1atm –––––––– 760mmHg
0,5 atm –––––––– x
X = 0,5 . 760 = 380 mmHg
03. Para que uma amostra gasosa que ocupa
um volume de 6,0L e se encontra a 1atm
tenha sua pressão modificada para 1140
mmHg, mantendo-se a temperatura
constante, o volume de passar a valer:
a) 1,0 L b) 2,0 L c) 4,0 L
d) 8,0 L e) 12,0 L
Solução:
Como as pressões inicial e final não se encontram
na mesma unidade , devemos converter uma
delas:
760mmHg –––––––– 1,0 atm
1140mmHg –––––––– x
X = 1,5atm
04. Um balão de publicidade contém gás
hélio ocupando 600L a 27°C.Qual é a
contração do volume desse balão em
uma manhã fria, com t = 7 °C?
Solução:
Aplicando a Lei de Charles:
V1/T1 = V2/T2 ⇒ 600L/300 K =V2/280 K ⇒
V2 = 560L
A contração de volume é ⇒ 600 – 560 = 40 L.
05. Contendo 1L de gás hélio, um balão de
borracha foi solto numa praia a 27°C e
1atm. Calcule o volume do balão numa
altitude em que a pressão atmosférica
passou para 0,8atm e a temperatura
para 17°C.
Solução:
Estado inicial P1= 1atm V1= 1L
T1 = 27+273=300 K
Estado final P2= 0,8 atm V2= ?
T1 = 17+273=290 K
Substituindo os dados na equação geral dos
gases,temos:
P1 x V1 P2 x V2
–––––––– = ––––––––
T1 T2
1 atm. 1L 0,8 atm . V2
––––––––– = ––––––––––– ⇒ V2= 1,2L.
300K 290k
06. Determine o volume de 0,2 mol de gás
nitrogênio, mantido em um cilindro de
êmbolo móvel , a 27°C e 2,0 atm. (Dado:
R= 0,082atm.L/ mol.K)
Solução:
Vamos aplicar a expressão PV = nRT. Temos os
valores:
P= 2,0 atm V=? n = 0,2 mol
R = 0,082 atm.L/ mol.K
T= 27 + 273= 300K
V = 0,2 . 0,082 . 300/2,0 ⇒ V = 2,46 L
Introdução à zoologia
Principais filos animais
O reino animal compreende uma enorme
diversidade de tipos de organismos, alguns dos
quais são mostrados nas fotografias.
Os poríferos
O filo Porífera reúne as esponjas, animais aquáticos
com organização corporal muito simples. A
maioria das espécies é marinha, vivendo presa a
rochas e a objetos submersos. As esponjas não
apresentam nenhum tipo de órgão, nem mesmo
tecidos diferenciados; são parazoários.
Os cnidários
O filo Cnidária reúne os cnidários, animais
aquáticos urticantes cujos representantes mais
conhecidos são as águas-vivas, os corais, as
caravelas e as anêmonas-do-mar. A maioria dos
cnidários é marinha, podendo viver fixados a
objetos submersos, ou nadando livremente.
Os platelmintos
O filo Phatyhelminthes reúne animais de corpo
achatado dorso-ventralmente que vivem na
água doce e salgada, em ambientes de terra
firme úmidos e no interior de outros animais,
como parasitas. As formas de vida livre,
aquáticas ou terrestres, são as populares
planárias; os parasitas mais conhecidos são as
tênias e os esquistossomos.
Os nematódeos
O filo Nematoda reúne uma grande quantidade
de animais de corpo cilíndrico afilado nas duas
pontas. Os representantes desse grupo vivem
em todos os tipos de ambiente: na água, doce
ou salgada, na terra úmida ou no interior do
corpo de animais e plantas, parasitando-os. Os
parasitas mais conhecidos são as lombrigas, os
ancilóstomos, causadores do amarelão e as
filarias, causadoras da elefantíase.
moluscos
O filo Mollusca reúne animais de corpo mole,
em geral revestido por uma concha calcária
rígida. Os representantes desse grupo vivem na
água, doce ou salgada, e nos mais diversos
ambientes de terra firme; são os caramujos, os
mexilhões, as lesmas, os polvos, as lulas, etc.
Os anelídeos
O filo Annelida reúne animais de corpo cilíndrico
dividido em segmentos. Eles vivem na água, doce
ou salgada, e em solo úmido. Os representantes
mais conhecidos deste grupo são as minhocas e
as sanguessugas, e os poliquetos que vivem no
mar, vagando pelo fundo ou dentro de tubos que
eles mesmos constroem.
Os artrópodes
O filo Arthropoda reúne uma grande diversidade
de organismos, que se caracterizam por ter o
corpo confinado dentro de uma armadura rígida:
o exoesqueleto de quitina. Seus representantes
são divididos em três subfilos: o dos crustáceos,
o dos quelicerados e o dos unirâmios. Os crustáceos,
em sua maioria aquáticos, são os camarões,
as lagostas, os caranguejos, os siris, os tatuzinhos-
de-jardim, etc. Os quelicerados, representados
por aranhas, escorpiões, carrapatos e
ácaros, são tipicamente de terra firme. Os unirâmios,
como os piolhos-de-cobra (diplópodes), as
centopéias (miriápodes) e os insetos, são animais
tipicamente de terra firme e constituem a maioria
das espécies conhecidas.
Os equinodermos
O filo Echinodermata reúne animais exclusivamente
marinhos que os cientistas consideram
os mais aparentados com os cordados. Seus
representantes mais conhecidos são as estrelasdo-
mar, os ouriços-do-mar, as bolachas-do-mar
e os pepinos-do-mar (holotúrias).
Os cordados
O filo Chordata reúne alguns animais invertebrados
aquáticos, como as ascídias e os anfioxos,
e todos os animais vertebrados, como peixes,
anfíbios, répteis, aves e mamíferos, como a
espécie humana. É um grupo bem diversificado,
que reúne animais com tamanhos e formas
corporais bem variados e adaptados aos mais
diversos tipos de ambiente.
Características gerais dos animais
Vamos analisar, uma a uma, as principais características
de um animal. Em primeiro lugar, animais
são organismos eucarióticos, isto é, suas células
apresentam, além de um núcleo delimitado pela
carioteca. uma rede de tubos e fibras de proteínas
e diversas organelas membranosas no citoplasma.
Nesse aspecto, os animais distinguem-se das
bactérias (reino Monera), que são organismos
procarióticos, e assemelham-se aos fungos, aos
protistas e às plantas, que também são seres
eucarióticos.
Em segundo lugar, os animais são seres multicelulares
(ou pluricelulares), isto é, cada indivíduo
é constituído por grande número de células, que
vão de algumas centenas até trilhões, dependendo
do animal. Nessa característica, os animais
distinguem-se da maioria dos representantes do
reino Protista (protozoários e algas unicelulares) e
assemelham-se às plantas, aos fungos e aos
protistas multicelulares (algas macroscópicas).
Outra característica importante dos animais é sua
nutrição heterotrófíca, ou seja, o fato de obterem
substâncias nutrientes e energia a partir de outros
seres vivos. Essa característica, compartilhada
com os fungos, que também são seres heterotróficos,
distingue os animais das plantas e das
algas, que são organismos autotróficos
fotossintetizantes.
Animais diblástícos e animais triblásticos
Os animais do filo Cnidaria (corais, anêmonasdo-
mar e águas-vivas) têm apenas dois folhetos
germinativos: o ectoderma e o endoderma; por
isso, são chamados diblásticos ou diploblásticos
(do grego diplos, duplo, dois, e blastos. aquilo
que germina). Já os animais de todos os outros
filos (excetuando-se os poríferos) apresentam
um terceiro folheto germinativo, o mesoderma, e
por isso são chamados triblásticos ou triploblásticos
(do grego triplos, triplo, três).
Representação esquemática da gástrula em animais
diploblásticos e triploblásticos.
Animais acelomados, animais pseudocelomados
e animais celomados
No filo Platyhelminthes (vermes achatados), cujos
principais representantes são as planárias, os
esquistossomos e as tênias, o mesoderma se
desenvolve e preenche todo o espaço entre o
ectoderma e o endoderma, o que resulta em
animais de corpo maciço. Não há outras cavidades
corporais além da cavidade digestiva. Pelo
fato de não apresentarem nenhuma cavidade
corporal, esses animais são considerados acelomados
(do grego a, sem, e kôilos, oco, cavidade).
No filo Nematoda (vermes cilíndricos), cujo representante
mais conhecido é a lombriga, o mesoderma
não preenche todo o corpo do animal. No
embrião, o mesoderma cresce aderido ao ectoderma,
deixando um espaço que o separa do endoderma
que reveste o arquêntero. Esse espaço, em
parte revestido por mesoderma, em parte por
endoderma, é chamado pelos biólogos de pseudoceloma
(do grego pseudés, falso, e kôilos, oco,
cavidade). O pseudoceloma é preenchido por
Biologia
Professor JONAS Zaranza
01. Observe o esquema a seguir:
Os números 5 e 6 indicam respectivamente:
a) esquizocelomados e enterocelomados.
b) bilatérios e radiados.
c) protostômios e deuterostômios.
d) diblásticos e triblásticos.
e) sem notocórdio e com notocórdio.
02. (FGV) A tabela apresenta características
de algumas classes do filo ‘Arthropoda’.
Na tabela, ‘Arachnida’, ‘Crustacea’ e
‘Insecta’ estão respectivamente
representados pelos números
a) 1, 2 e 3. b) 1, 3 e 2. c) 2, 3 e 1.
d) 3, 1 e 2. e) 3, 2 e 1.
03. (Fuvest) O que é que a minhoca tem, e
a mosca também?
a) Sistema circulatório fechado.
b) Metameria.
c) Respiração cutânea.
d) Hermafroditismo.
e) Desenvolvimento direto.
04. (G2) Assinale a opção que associa
corretamente as Classes do Filo
Arthropoda apresentadas na coluna
adiante, em algarismos arábicos, com as
características morfológicas apresentadas
a seguir, em algarismos romanos:
1. Insetos 2. Crustáceos
3. Aracnídeos 4. Quilópodes
5. Diplópodes
I. corpo dividido em cabeça, tórax e
abdome, hexápodes.
II. corpo dividido em cabeça e tronco:
um par de patas por segmento do
corpo.
III. corpo dividido em cefalotórax e
abdome: aparelho bucal mandibulado.
IV. corpo dividido em cefalotórax e
abdome: quelicerados.
V. corpo dividido em cabeça e tronco:
dois pares de patas por segmento do
corpo.
a) I - 1; II - 4; III - 2; IV - 3; V - 5.
b) I - 3; II - 2; III - 4; IV - 1; V - 5.
c) I - 1; II - 5; III - 3; IV - 2; V - 4.
d) I - 2; II - 4; III - 1; IV - 5; V - 3.
e) I - 2; II - 5; III - 1; IV - 3; V - 4.
Desafio
Biológico
6
7
líquido e nele se alojam os diversos órgãos do
animal. Por apresentarem pseudoceloma, os
nematódeos são denominados animais pseudocelomados.
Com exceção dos dois filós mencionados anteriormente,
em todos os outros filós que estudaremos
os animais apresentam uma cavidade
corporal, o celoma, completam ente revestida
por mesoderma. Por isso, esses animais são
chamados de celomados.
O celoma pode formar-se de duas maneiras: a
partir de fendas internas que surgem no mesoderma
do embrião ou do espaço interno das bolsas
de mesoderma que “brotam” do arquêntero (veja
figura abaixo). No primeiro caso, a formação do
celoma é denominada esquizocélica (do grego
schizos, dividido, fendido); no segundo caso, o
processo de formação do celoma é chamado
enterocélico (do grego enteron, intestino).
Dos filos de animais que estudaremos, os moluscos,
os anelídeos e os artrópodes apresentam
celoma esquizocélico, sendo por isso considerados
animais esquizocelomados. Nos equinodermos
(ouriços-do-mar e estrelas-do-mar) e nos
cordados (cujos principais representantes são os
vertebrados), a formação do celoma é enterocélica
e, por isso, esses organismos são
chamados enterocelomados.
Representação esquemática das origens esquizocélica
e enterocélica do celoma. O celoma do
tipo esquizocélico está presente nos animais
protostômios (anelídeos, moluscos e artrópodes),
isto é, nos quais o blastóporo origina a boca. Já
o celoma enterocélico é caracterísico dos animais
deuterostômios (equinodermos e cordados), isto
é, daqueles em que o blastóporo origina o ânus.
Animais protostômios e animais deuterostômios
Os cientistas notaram que em todos os animais
esquizocelomados o blastóporo dá origem à
boca, ou seja, todos os animais esquizocelomados
são também protostômios (do grego
protos, primeiro, primitivo, e stoma, boca). Em
todos os animais enterocelomados, por outro
lado, o blastóporo dá origem ao ânus, ou seja,
todos os animais enterocelomados são também
deuterostômios (do grego deuteros, segundo,
e stoma, boca). Essas duas características
levaram os biólogos a reunir os moluscos, os
anelídeos e os artrópodes no superfilo Protostomia.
Os equinodermos e os cordados, por sua
vez, foram reunidos no superfilo Deuterostomia.
Simetria – O conceito de simetria
A maioria dos animais apresenta simetria corporal.
Ter simetria significa que, se o animal é cortado,
real ou imaginariamente, por um plano que passe
pelo centro de seu corpo, se obtêm duas metades
equivalentes. Uma bola, por exemplo, apresenta
um tipo de simetria denominado simetria esférica:
qualquer plano que passe pelo centro da esfera a
divide em metades simétricas.
Simetria radial
A simetria radial ocorre em algumas esponjas (a
maioria possui corpo assimétrico), em cnidários
(águas-vivas, anêmonas-domar e corais) e
também nas formas adultas de equinodermos
(ouriços-do-mar, estrelas-do-mar etc.). Animais
com simetria radial não têm cabeça nem cauda;
não têm lado direito nem lado esquerdo; não têm
dorso nem ventre. Seu eixo corporal vai da região
onde fica a boca, chamada região oral, à região
oposta, chamada região ab-oral. Muitos dos
animais radialmente simétricos são sésseis, isto é,
vivem fixados a objetos e têm movimentos lentos.
Simetria bilateral
Outro tipo de simetria, presente em todos os filos
animais, com exceção de poríferos, cnidários e
equinodermos adultos, é a simetria bilateral.
Nesse caso, há um único plano de simetria, que
produz duas metades simétricas.
Os equinodermos, apesar de apresentarem
simetria radial na fase adulta, têm formas jovens
– larvas – bilateralmente simétricas. Essa e
outras características sugerem que os ancestrais
dos equinodermos eram animais bilaterais, e que
a simetria radial das espécies atuais foi resultado
de uma adaptação ao modo de vida séssil.
Na simetria bilateral, um único plano divide o objeto em duas
metades simétricas.
Sistemas esqueléticos
Esqueleto hidrostático
Em nematódeos (vermes cilíndricos, como a
lombriga) e em anelídeos (vermes segmentados,
como a minhoca), as cavidades corporais cheias
de líquido servem de apoio para as contrações da
musculatura, o que permite movimentar e alterar a
forma do corpo. Fala-se, nesse caso, em esqueleto
hidrostático, uma vez que é o fato de a água
ser incompressível que permite sustentar a ação
muscular.
Exoesqueleto
O exoesqueleto (do grego exos, fora) é uma
cobertura rígida que envolve totalmente (exoesqueleto
completo), ou parcialmente (exoesqueleto
incompleto) o corpo do animal, protegendo
os órgãos internos e fornecendo pontos de
apoio para a musculatura.
O exoesqueleto completo, típico dos artrópodes é
constituído por placas articuladas de um polissacarídeos,
a quitina, à qual podem se agregar
outras substâncias. Nos crustáceos, por exemplo,
o exoesqueleto é impregnado de carbonato de
cálcio, formando armaduras rígidas e resistentes,
como as carapaças de caranguejos e lagostas.
Um exoesqueleto completo, apesar de eficiente
tanto na proteção quanto na movimentação do
corpo, tem suas limitações. A principal delas é
que, para crescer, o animal precisa sair do
exoesqueleto, despindo-o como uma velha
roupa apertada e substituindo-o por um novo.
Enquanto este ainda é flexível, o animal pode
crescer. O processo de troca de exoesqueleto é
a muda ou ecdise, e pode ocorrer várias vezes
na vida de um animal.
01. (FUVEST) Um animal de corpo cilíndrico
e alongado, dotado de cavidade
celômica, apresenta fendas branquiais
na faringe durante sua fase embrionária.
Esse animal pode ser:
a) uma cobra; b) um poliqueto;
c) uma lombriga; d) uma minhoca;
e) uma tênia.
02. (UFG) Observe a tira a seguir:
O invertebrado, observado por Mafalda,
pertence ao filo que, evolutivamente, é o
mais próximo dos cordados, por
apresentarem
a) hábitat marinho; b) mesoderme;
c) deuterostomia; d) fecundação externa;
e) simetria radial.
03. (FGV) No gráfico, as curvas representam
o padrão de crescimento de dois grupos
distintos de organismos.
As curvas A e B representam,
respectivamente, o crescimento de
a) anelídeos e moluscos;
b) mamíferos e anfíbios;
c) moluscos e artrópodes;
d) artrópodes e anfíbios;
e) mamíferos e anelídeos.
04. (Mackenzie) A respeito dos platelmintos é
INCORRETO afirmar que:
a) há representantes que possuem tanto
reprodução assexuada como sexuada;
b) há representantes tanto de vida livre como
parasitas;
c) são todos triblásticos acelomados;
d) possuem sistema respiratório e circulatório;
e) há representantes hermafroditas e de
sexos separados.
05. (UFC) Assinale a alternativa que
apresenta o conjunto celular mais
primitivo que se assemelha, em função,
ao tecido conjuntivo de um animal
cordado vertebrado.
a) Pinacócitos dos poríferos.
b) Manto dos moluscos.
c) Cutícula dos nematódeos.
d) Mesênquima dos platelmintos.
e) Gastroderme dos cnidários.
Desafio
Biológico
Sistema hormonal ou
endócrino
As unidades morfológicas do sistema endócrino
são as glândulas endócrinas. Elas produzem
secreções chamadas hormônios, considerados
as unidades funcionais do sistema endócrino.
Os hormônios são transportados pela corrente
sangüínea e atuam em órgãos-alvo, inibindo-os
ou estimulando-os.
No corpo dos animais, existem outros tipos de
glândulas denominadas exócrinas e mistas. As
exócrinas possuem dutos que conduzem a
secreção para o exterior da glândula. As
secreções que produzem não são hormônios.
Exemplo: as sudoríparas, dos mamíferos, e as
digestórias, dos vertebrados. A mista está
representada pelo pâncreas, pois possui uma
parte endócrina e outra exócrina.
O sistema endócrino difere funcionalmente do
sistema nervoso pela rapidez da resposta:
enquanto um impulso nervoso pode percorrer o
corpo em milésimos de segundo, o hormônio
pode levar segundos ou até minutos para atingir
o órgão-alvo.
Apesar dessas diferenças anatômicas e
funcionais entre esses sistemas, verificou-se que
alguns neurônios podem produzir hormônios
denominados neurossecreções. Alguns
neurônios do hipotálamo dos mamíferos, por
exemplo, produzem neurossecreções que ficam
acumuladas no lobo posterior da hipófise
(neuro-hipófise).
Freqüentemente, o sistema nervoso interage
com o endócrino, formando mecanismos
reguladores bastante precisos.
Além de exercerem efeitos sobre órgãos nãoendócrinos,
alguns hormônios, denominados
trópicos, atuam sobre outras glândulas
endócrinas. Os principais hormônios trópicos
dos vertebrados são produzidos pela hipófise.
São eles:
• tireoideotrópicos: atuam sobre a glândula
endócrina tireóide;
• adrenocorticotrópicos: atuam sobre o córtex
da glândula endócrina adrenal (ou supra-renal).
• gonadotrópicos: atuam sobre as gônadas
masculinas e femininas.
1. Hipófise ou pituitária
Situa-se na base do encéfalo, em uma cavidade
do osso esfenóide chamada tela túrcica. Nos
seres humanos, tem o tamanho aproximado de
um grão de ervilha e possui duas partes: o lobo
anterior (ou adeno-hipófise) e o lobo posterior
(ou neuro-hipófise).
Glândulas humanas produtoras de hormônios.
2. Hipotálamo
Localizado no cérebro diretamente acima da
hipófise, é conhecido por exercer controle sobre
ela por meios de conexões neurais e substâncias
semelhantes a hormônios chamadas fatores
desencadeadores (ou de liberação), o meio pelo
qual o sistema nervoso controla o comportamento
sexual via sistema endócrino.
O hipotálamo estimula a glândula pituitária a
liberar os hormônios gonadotróficos (FSH e LH),
que atuam sobre as gônadas, estimulando a
liberação de hormônios gonadais na corrente
sanguínea. Na mulher, a glândula-alvo do
hormônio gonadotrófico é o ovário; no homem,
são os testículos. Os hormônios gonadais são
detectados pela pituitária e pelo hipotálamo,
inibindo a liberação de mais hormônio pituitário,
por feed-back.
Como a hipófise secreta hormônios que
controlam outras glândulas e está subordinada,
por sua vez, ao sistema nervoso, pode-se dizer
que o sistema endócrino é subordinado ao
nervoso, e que o hipotálamo é o mediador entre
esses dois sistemas.
3. Tireóide
Localiza-se no pescoço, estando apoiada sobre
as cartilagens da laringe e da traquéia. Seus
dois hormônios, triiodotironina (T3) e tiroxina
(T4), aumentam a velocidade dos processos de
oxidação e de liberação de energia nas células
do corpo, elevando a taxa metabólica e a
geração de calor. Estimulam ainda a produção
de RNA e a síntese de proteínas, estando
relacionados ao crescimento, à maturação e ao
desenvolvimento. A calcitonina, outro hormônio
secretado pela tireóide, participa do controle da
8
Texto para a próxima questão:
01. (UFSM) A qualidade da água pode ser
alterada por vários fatores:
– contaminantes biológicos, que
podem transformar as águas em
fontes de transmissão de doenças;
– compostos orgânicos que, mesmo
em baixas concentrações, podem
interferir no funcionamento dos
seres vivos, como o benzeno, que é
um agente mutagênico, e os
hormônios humanos, que podem
ser exemplificados pelos esteróides.
Associe a 2a coluna à 1a.
COLUNA 1 COLUNA 2
Glândulas Hormônios
1 – hipófise ( ) andrógenos
2 – pâncreas ( ) somatotrofina ou
hormônio do
crescimento
3 – testículos ( ) insulina
( ) hormônio folículo
estimulante
A seqüência correta é
a) 1 – 1 – 3 – 2.
b) 3 – 1 – 2 – 1.
c) 3 – 2 – 2 – 1.
d) 1 – 2 – 3 – 2.
e) 3 – 2 – 1 – 3.
02. (UERJ) Técnica reverte menopausa e
devolve fertilidade
Mulher estéril voltou a produzir óvulos
após receber um transplante de ovário
congelado nos Estados Unidos
("O Globo", 24/09/99)
No procedimento médico-cirúrgico
acima, o tecido ovariano transplantado
foi induzido por hormônios a produzir
óvulos.
Isso foi possível porque a função
ovariana é estimulada pelos seguintes
hormônios secretados pela hipófise:
a) estrogênio e progesterona
b) estrogênio e hormônio luteinizante
c) folículo estimulante e progesterona
d) folículo estimulante e hormônio
luteinizante
03. (UFV) O homem cresce, de um modo
geral, até próximo aos 20 anos. O
crescimento em altura do indivíduo é
coordenado, principalmente, por
atividade glandular. Assinale a
alternativa que apresenta o nome da
glândula que produz o hormônio de
crescimento:
a) Pâncreas.
b) Hipófise.
c) Tireóide.
d) Rim.
e) Fígado.
Desafio
Biológico
Biologia
Professor GUALTER Beltrão
Controle Hormonal
9
concentração sangüínea de cálcio, inibindo a
remoção do cálcio dos ossos e a saída dele
para o plasma sangüíneo, estimulando sua
incorporação pelos ossos.
Indivíduo com alteração da tireóide chamada
exofitalmia.
Além desses órgãos, existem outros que também
sintetizam hormônios, atuando secundariamente
como órgãos endócrinos. É o caso do estômago e
intestino, que secretam cerca de oito hormônios,
incluindo a gastrina e a secretina. O coração
também produz hormônios que atuam no controle
dos níveis de sódio e de água no organismo.
A tabela a seguir resume algumas das principais
funções dos hormônios para a espécie humana.
Exercícios
01. (PUC–MG) O esquema a seguir
representa um processo de regulação
endócrina por fatores internos e
externos ao organismo.
De acordo com o esquema e seus
conhecimentos, é correto afirmar,
EXCETO:
a) Estímulo e inibição atuam coordenadamente,
opondo-se a grandes variações
na concentração plasmática de tiroxina
em indivíduos normais.
b) Tiroxina pode atuar como hormônio que
contribui para nos adaptarmos ao frio.
c) A redução nos níveis de TSH é sempre
indicador de hipotireoidismo.
d) A carência nutricional de iodo pode determinar
a redução na produção de tiroxina
e o aumento de volume da tireóide.
02. (UFRS) Os hormônios participam da
regulação de várias funções fisiológicas,
como a ativação metabólica e a
regulação da temperatura. O hormônio
que modula estes processos é
produzido pela:
a) tireóide; b) hipófise; c) supra-renal;
d) paratireóide; e) amígdala.
03. Quando nos encontramos em situação
de alarme (pânico, susto e raiva), quase
que imediatamente o coração começa a
bater mais rápido, empalidecemos, pela
diminuição da circulação periférica, e a
freqüência respiratória aumenta. Essas
são algumas alterações fisiológicas que
ocorrem quando o organismo produz
uma maior quantidade de:
a) Adrenalina. b) Estradiol.
c) Cortisona. d) Tiroxina. e) Progesterona.
04. (UFPE) O equilíbrio hídrico no corpo
humano depende dos hormônios:
a) testosterona e tiroxina;
b) glucagon e timosina;
c) ADH (antidiurético) e aldosterona;
d) paratormônio e calcitonina;
e) calcitonina e antidiurético.
01. (Ufes) A hipófise produz e secreta uma
série de hormônios que têm ação em
órgãos distintos, sendo, portanto,
considerada a mais importante glândula
do sistema endócrino humano.
Sobre os hormônios hipofisários, é
CORRETO afirmar que
a) o FSH, produzido na hipófise anterior,
facilita o crescimento dos folículos
ovarianos e aumenta a motilidade das
trompas uterinas durante a fecundação.
b) a vasopressina, secretada pelo lobo
posterior da hipófise, é responsável pela
reabsorção de água nos túbulos renais.
c) o hormônio adenocorticotrópico (ACTH) é
um esteróide secretado pela adenohipófise
e exerce efeito inibitório sobre o
córtex adrenal.
d) o comportamento maternal e a
recomposição do endométrio, após o
parto, ocorrem sob a influência do
hormônio prolactina.
e) o hormônio luteinizante atua sobre o
ovário e determina aumento nos níveis do
hormônio folículo estimulante (FSH) após
a ovulação.
02. (Cesgranrio) A incrementação nutricional
dos alimentos teve início em 1924,
quando, nos EUA, o iodato de potássio
foi adicionado ao sal de cozinha numa
tentativa de inibir o bócio.
Estudos científicos revelam que a
carência de iodo na dieta produz uma
hipofunção glandular que acarreta
desordens metabólicas importantes,
pois deixam de ser produzidos hormônios
fundamentais na homeostase e no
metabolismo celular em geral.
Assinale a opção que relaciona
corretamente os hormônios e a
respectiva glândula que pode sofrer
disfunção se houver carência de iodo.
a) Hormônio tireotrófico e
adrenocorticotrófico - hipófise.
b) Hormônio tireotrófico e do crescimento -
hipófise.
c) Tiroxina e calcitonina - tireóide
d) Triiodotironina e tiroxina - tireóide.
e) Triiodotironina e calcitonina - tireóide.
03. (PUC–MG) A remoção de um tumor no
pescoço de um paciente provocou
hipofunção da glândula tireóide. Dentre
os sintomas decorrentes dessa
hipofunção, podemos encontrar,
EXCETO:
a) Emagrecimento
b) Cansaço (letargia)
c) Edema de pele
d) Redução do metabolismo basal
e) Retardamento do desenvolvimento físico e
mental.
Desafio
Biológico
Modernismo I
1. ANTECEDENTES DA SEMANA
DE ARTE MODERNA
1911
a) Em São Paulo, Oswald de Andrade funda
o jornal humorístico O Pirralho e começa
a fazer sátiras às poesias parnasiana e
romântica.
b) O mesmo jornal, quando elabora paródias
a textos do passado, faz uma mistura
de português com italiano.
1912
a) Oswald de Andrade, filho da alta burguesia
paulista, retorna da Europa (Itália) para
São Paulo, trazendo notícias do Futurismo
de Marinetti.
b) A idéia de uma arte atrelada à civilização
técnica, de combate ao academicismo,
começa a ser divulgada.
1913
a) Acontece a primeira mostra de arte nãoacadêmica
feita no Brasil. O autor das
obras é o pintor lituano Lasar Segall,
recém-chegado da Europa (Alemanha).
Ele expõe trabalhos que se apóiam no
Expressionismo alemão.
b) A exposição não desperta a atenção do
público nem da crítica.
1914
a) Anita Malfatti realiza sua primeira exposição
de pintura. Recém-chegada da
Alemanha, ela também exibe traços do
Expressionismo.
b) A exposição de Anita recebe alguns elogios
da crítica, mas nada de teor significativo.
1915
a) Anita Malfatti viaja para os Estados Unidos,
onde conhece de perto o Cubismo.
b) Luís de Montalvor, poeta português
(1891-1974), junto com Ronald de Carvalho,
organizam a revista Orpheu que
desencadeia o Modernismo em Portugal.
c) Oswald de Andrade torna o jornal O Pirralho
um veículo de apoio às tendências
culturais emergentes.
1917
a) Mário de Andrade e Oswald de Andrade,
em função das afinidades culturais, tornam-
se amigos.
b) Mário de Andrade publica sua primeira
obra: Há uma gota de sangue em cada
poema (poesia ainda parnasiana sobre a
Primeira Guerra Mundial).
c) Guilherme de Almeida, ainda sob a égide
parnasiana, publica seu primeiro livro: Nós.
d) Manuel Bandeira estréia na literatura com
a obra A Cinza das Horas (poesia parnasiana).
e) Menotti del Picchia lança seu primeiro livro:
Juca Mulato (poesia nacionalista ainda
nos moldes parnasianos).
f) Cassiano Ricardo lança o livro A Flauta
de Pã (poesia parnasiana).
g) Anita Malfatti, depois de quatro anos de
estudos na Alemanha e nos Estados Unidos,
realiza, em São Paulo, sua segunda
exposição. São 53 trabalhos entre pinturas,
aquarelas, caricaturas, gravuras. A
exposição provoca violenta discussão na
imprensa, principalmente depois do artigo
de Monteiro Lobato: Paranóia ou mistificação?,
publicado no jornal O Estado
de São Paulo.
h) Os jovens artistas, entre eles Mário e Oswald
de Andrade, põem-se em defesa de
Anita pelos jornais. Há, em São Paulo,
dois grupos bem nítidos: o dos que
apóiam a arte moderna e o dos que a
condenam ferozmente.
i) Sobre Anita Malfatti, Menotti del Picchia,
autor de Juca Mulato, escreve:
“Anita foi chefe de vanguarda na arrancada
inicial do movimento modernista da
pintura de São Paulo. Sua arte mereceu
a honra consagradora do martírio: foi recebida
a pedradas”.
1919
a) Manuel Bandeira publica o livro de poemas
Carnaval, contendo poemas de versos
livres.
b) Oswald de Andrade, Di Cavalcânti e Menotti
del Picchia descobrem o escultor
Victor Brecheret, recém-chegado de Roma.
O escultor adere ao grupo dos articulistas
da Semana de Arte Moderna.
1920
a) A imprensa começa a veicular artigos atacando
o academicismo e o passadismo.
b) Há um grupo articulando a renovação das
artes brasileiras: Oswald de Andrade, Mário
de Andrade, Menotti del Picchia, Cândido
Mota Filho e Agenor Barata.
1921
a) Mário e Oswald de Andrade vão ao Rio
de Janeiro em busca de apoio para o movimento
modernista. Conseguem as adesões
de Manuel Bandeira, Ronald de Carvalho,
Ribeiro Couto, Álvaro Moreira, Renato
de Almeida, Villa-Lobos e Sérgio
Buarque de Holanda.
b) Nos meses de agosto e setembro, Mário
de Andrade publica, no Jornal do Comércio,
uma série de artigos chamada “Mestres
do Passado”, em que analisa a poesia
parnasiana de Alberto de Oliveira, Raimundo
Correia, Olavo Bilac, Vicente de
Carvalho e Francisca Júlia – todos com
sólida reputação junto ao público.
c) Em outubro, Graça Aranha, escritor consagrado,
membro da Academia Brasileira
de Letras e diplomata, retorna da Europa,
onde tinha vivido desde 1900. Influenciado
pelas vanguardas européias, Graça
Aranha une-se aos jovens que articulam
a Semana de Arte Moderna.
d) Villa-Lobos, maestro e compositor, recebe
a visita de Graça Aranha e Ronald de Carvalho,
que o convidam a participar de um
evento em São Paulo para a divulgação
das idéias modernistas. O maestro gosta
do projeto, mas alega falta de dinheiro
Literatura
Professor João BATISTA Gomes
Caiu no vestibular
01. (FGV) Ao retornar da Europa, em
1912, entusiasmado com as idéias do
_________, em especial naquilo que
se refere à Arte e à Literatura,
_________ passa a preconizar que
ambas devem adequar-se à era da
velocidade das locomotivas, dos
aeroplanos, dos automóveis, à era
das máquinas, enfim, ao desenvolvimento
tecnológico e que, para isso,
era necessário romper com o
passado, com a tradição. Mais tarde,
entra em contato com outras
propostas vanguardistas européias,
de que surgirão outros movimentos
por ele liderados, como o Movimento
__________.
Preenche corretamente as lacunas a
alternativa:
a) Dadaísmo – Plínio Salgado – Verdeamarelo.
b) Concretismo – Manuel Bandeira –
Regionalista.
c) Futurismo – Oswald de Andrade –
Antropofágico.
d) Cubismo – Ronald de Carvalho –
Construtivista.
e) Surrealismo – Mário de Andrade –
Nativista.
02. (Desafio da TV) As obras expostas a
seguir foram todas publicadas, por
coincidência, em 1917. Qual delas
pertence ao autor do poema Os
Sapos, declamado na Semana de
Arte Moderna?
a) A Cinza das Horas
b) Há uma gota de sangue em cada
poema
c) Juca Mulato
d) Nós
e) A Flauta de Pã
03. (Desafio do Rádio) Autor consagrado
desde 1902, membro da Academia
Brasileira de Letras, apoiou os
jovens que, em 1922, se dispuseram
a fazer uma revolução nas artes
brasileiras.
a) Monteiro Lobato
b) Euclides da Cunha
c) Lima Barreto
d) Graça Aranha
e) Olavo Bilac
Desafio
Literário
10
11
para ir a São Paulo.
e) O grupo ganha a adesão de Paulo Prado,
intelectual rico de São Paulo que resolve
financiar a aventura dos jovens modernistas.
Graças à ajuda dele, Villa-Lobos pode
deslocar-se, junto com outros instrumentistas,
do Rio para São Paulo.
f) A articulação final da Semana de Arte
Moderna acontece durante as reuniões
na mansão da família Prado (Paulo era
filho do mais importante fazendeiro do
café do século XIX).
2. A SEMANA DE ARTE MODERNA
a) Finanças – A Semana de Arte Moderna
só é realizada graças à colaboração financeira
encabeçada pelo jornalista René
Thiollier: ele consegue 847 mil réis junto
aos fazendeiros e exportadores de café,
tendo Paulo Prado como primeiro da lista.
Também apóiam o movimento o presidente
do Estado de São Paulo e o prefeito.
b) Aluguel do Teatro Municipal – O Teatro
Municipal de São Paulo, fundado em
1913, é alugado para o evento.
c) Três dias de tumulto – Dentro da Semana,
os três dias de agitação são 13, 15 e
17 de fevereiro de 1922. Em cada dia, os
jovens enfocam um tema diferente.
DIA 13 DE FEVEREIRO (segunda-feira)
a) O evento é inaugurado às 8 horas da
noite, com uma exposição de artes
plásticas no saguão do teatro. Graça
Aranha faz uma conferência com o título
de A Emoção Estética na Arte Moderna.
b) Nem a reputação de membro da Academia
Brasileira de Letras, nem a idade (54
anos) evitam as vaias do público pelos
ataques do veterano ao academicismo.
c) No saguão do teatro, estão expostas
pinturas de Anita Malfatti, Di Cavalcânti,
John Graz, Zina Aita, J. F. de Almeida
Prado e Vicente do Rego Monteiro. Há
também esculturas de Brecheret e projetos
de arquitetura de Antônio Moya e
Georg Przirembel.
d) A conferência de Graça Aranha é ilustrada
por musicais regidos por Ernani Braga
e por declamações de poemas feitas por
Ronald de Carvalho e Guilherme de Almeida.
e) Na segunda parte do evento, Ronald de
Carvalho profere a conferência “A Pintura
e a Escultura Moderna no Brasil”, ilustrada
por músicas de Ernani Braga e de
Villa-Lobos.
f) Oswald de Andrade lê um poema de sua
autoria sob vaias intensas.
g) Mário de Andrade profere um discurso
sobre estética, também sob vaias do público
presente.
DIA 15 DE FEVEREIRO (quarta-feira)
a) Guiomar Novaes, admirada pianista,
aproveita um intervalo e executa alguns
clássicos consagrados. É aplaudida pelo
público.
b) Menotti del Picchia profere uma conferência
sobre estética e arte, ilustrada por
um número de dança e por vaias e relinchos
do público pagante. Eis um trecho
do discurso de Menotti:
“Queremos luz, ar, ventiladores,
aeroplanos, reivindicações obreiras,
idealismos, motores, chaminés de
fábricas, sangue, velocidade, sonho na
nossa arte. E que o rufo do automóvel,
nos trilhos de dois versos, espante da
poesia o último deus homérico que ficou,
anacronicamente, a dormir e a sonhar, na
era do jazz-band e do cinema, com a
flauta dos pastores da Arcádia e os seios
divinos de Helena. [...] e o céu parece
um imenso cartaz elétrico que Deus
arrumou no alto, para fazer o eterno
racismo de sua onipotência. [...] cultivar
o helenismo como força dinâmica do
nosso século é colocar o corpo seco,
enrolado em bandas, de um Ramsés ou
de um Amnésis, a governar uma
república democrática, onde há fraudes
eleitorais e greves anarquistas”.
c) Ronald de Carvalho lê o poema Os Sapos,
de Manuel Bandeira, que, radicado no
Rio de Janeiro, não pode comparecer ao
evento (piorara da tuberculose). A leitura
do poema é acompanhada de vaias, berros,
latidos. Mesmo sob um barulho ensurdecedor,
Ronald declama o texto.
DIA 17 DE FEVEREIRO (sexta-feira)
a) Noite totalmente dedicada à música. Há
um longo recital de Villa-Lobos, com a
participação de Ernani Braga, Alfredo Gomes,
Paulina d’Ambrósio, Lima Viana,
Maria Emma, Lucília Villa-Lobos, Pedro
Vieira e Antão Soares.
b) O Teatro Municipal está com menos da
metade da lotação. Há uma certa tranqüilidade
no ambiente.
c) Um momento de constrangimento e vaias:
Villa-Lobos apresenta-se de casaca, mas
com um pé calçado com um sapato e
outro com um chinelo. O compositor tem
um calo inflamado. Os protestos ao figurino
do regente são inúmeros. Um espectador
da primeira fila abriu um guardachuva
preto.
d) A noite encerra-se com a reafirmação
dos três objetivos básicos do movimento:
1. Reivindicar o direito permanente à
pesquisa estética, à atualização da
arte brasileira, à estabilização de uma
consciência criadora nacional.
2. Reagir contra o “helenismo” de Coelho
Neto, contra o purismo de Rui Barbosa,
contra o academicismo de modo
geral.
3. Substituir o pieguismo literário de métrica
rígida e sentimentos catalogados
pela linguagem coloquial, pela livre
expressão, pela valorização da realidade
nacional, pela exaltação da psique
moderna.
Mal Secreto
Raimundo Correia
Se a cólera que espuma, a dor que mora
N’alma, e destrói cada ilusão que nasce,
Tudo o que punge, tudo o que devora
O coração, no rosto se estampasse;
Se se pudesse o espírito que chora
Ver através da máscara da face,
Quanta gente, talvez, que inveja agora
Nos causa, então piedade nos causasse!
Quanta gente que ri, talvez, consigo
Guarda um atroz, recôndito inimigo,
Como invisível chaga cancerosa!
Quanta gente que ri, talvez existe,
Cuja a ventura única consiste
Em parecer aos outros venturosa!
1. PREFERÊNCIA PELO SONETO – Os poetas
do Parnasianismo elegem o soneto (2
quartetos e 2 tercetos) como composição
ideal para o desafio da síntese. Qualquer
temática escolhida tem de virar arte e ser
esgotada em 14 versos.
2. PRIMEIRA ESTROFE – O uso do “se” coloca
a idéia da primeira estrofe em perspectiva
de hipótese. O poeta questiona o que
aconteceria se a cólera (que mora na alma
e é capaz de destruir cada ilusão que nasce)
estivesse estampada no rosto do ser humano.
Os versos são decassílabos; as rimas são
pobres (ocorrem entre palavras de mesma
classe gramatical).
3. SEGUNDA ESTROFE – A estratégia da hipótese
continua. Se fosse possível ver o
espírito que sofre por meio da máscara da
face, muita gente que nos causa inveja talvez
passasse a nos causar piedade. É como
se a face do ser humano fosse apenas uma
máscara a encobrir o que realmente somos
por dentro.
As rimas são ricas (ocorrem entre palavras
de classes diferentes).
4. TERCEIRA ESTROFE – O riso, sinal universal
de felicidade, é contestado. Quem exibe
sorriso no rosto pode estar chorando por
dentro, como se a capacidade de fingir fosse
inerente ao ser humano.
A rima (consigo/inimigo) é rica.
5. QUARTA ESTROFE – A capacidade de fingir
chega ao ápice: para muita gente, a única
felicidade consiste em parecer feliz para os
outros.
A rima (existe/consiste) é pobre.
6. PESSIMISMO – Raimundo Correia contamina
muitos leitores com sonetos pessimistas.
Em Mal Secreto, levanta a hipótese de
que somos fingidores, de que exibimos uma
felicidade que não condiz com nossas condições
interiores.
Leitura
obrigatória
AMABIS, José Mariano; MARTHO,
Gilberto Rodrigues. Conceitos de
Biologia das células: origem da vida.
São Paulo: Moderna, 2001.
CARVALHO, Wanderley. Biologia em
foco. Vol. Único. São Paulo: FTD, 2002.
COVRE, Geraldo José. Química Geral:
o homem e a natureza. São Paulo:
FTD, 2000.
FELTRE, Ricardo. Química: físicoquímica.
Vol. 2. São Paulo: Moderna,
2000.
LEMBO, Antônio. Química Geral:
realidade e contexto. São Paulo: Ática,
2000.
LEVINE, Robert Paul. Genética. São
Paulo: Livraria Pioneira, 1973.
LOPES, Sônia Godoy Bueno. Bio. Vol.
Único. 11.a ed. São Paulo: Saraiva.
2000.
MARCONDES, Ayton César;
LAMMOGLIA, Domingos Ângelo.
Biologia: ciência da vida. São Paulo:
Atual, 1994.
REIS, Martha. Completamente Química:
físico-química. São Paulo: FTD, 2001.
SARDELLA, Antônio. Curso de Química:
físico-química. São Paulo: Ática, 2000.
EXERCÍCIO (p. 3)
01. C;
02. a) 4,5 - dimetil, 4 - etil, decano;
b) 2,3 - dimetil, penteno;
c) 2 - etil penteno –1;
d) 3,6 - dimetil 5 - etil, nonano;
e) 4-metil penteno –2;
f) vinil (“etenil”) benzeno;
g) 1 - metil, 3 - etil cicloexeno;
h) 1 - metil, 3 - etil cicloexano;
i) 1 - metil, ciclopropano;
DESAFIO QUÍMICO (p. 3)
01. a) 3-metil , pentanol-2;
b) 3,4-dimetil , hexanol-2;
c) cicloexanol;
d) 3,3 dimetil , pentanol-2;
e) 3-metil , cicloexanol;
f) 3-etil , cicloexanol;
02. D;
03. D;
04. E;
05. B;
DESAFIO QUÍMICO (p. 4)
01. E; 02. B; 03. D;
04. D;
EXERCÍCIO (p. 5)
01. C; 02. E;
DESAFIO QUÍMICO (p. 5)
01. D; 02. C; 03. B; 04. B;
DESAFIO BIOLÓGICO (p. 6)
01. E; 02. B; 03. A; 04. E;
DESAFIO BIOLÓGICO (p. 7)
01. A; 02. B; 03. D; 04. C;
DESAFIO BIOLÓGICO (p. 8)
01. C; 02. A; 03. E;
EXERCÍCIOS (p. 9)
01. B; 02. B; 03. B;
DESAFIO BIOLÓGICO (p. 9)
01. E; 02. B; 03. D; 04. C;
DESAFIO GRAMATICAL (p. 10)
01. C; 02. C; 03. A;
PERSCRUTANDO O TEXTO (p. 10 e 11)
01. V, V, F, V e V; 02. V, V, V, V e F; 03. B;
04. D; 05. E; 06. B; 07. E; 08. A; 09. C;
10. D; 11. E;
MOMENTO DA DISSERTAÇÃO (p. 11)
01. V, V, V, V, V, V e V; 02. V, V, F, V, V, F e V;
03. V, F, V, V, V e F;
Governador
Eduardo Braga
Vice-Governador
Omar Aziz
Reitora
Marilene Corrêa da Silva Freitas
Vice-Reitor
Carlos Eduardo Gonçalves
Pró-Reitor de Planejamento e Administração
Antônio Dias Couto
Pró-Reitor de Extensão e
Assuntos Comunitários
Ademar R. M. Teixeira
Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa
Walmir Albuquerque
Coordenadora Geral
Munira Zacarias Rocha
Coordenador de Professores
João Batista Gomes
Coordenador de Ensino
Carlos Jennings
Coordenadora de Comunicação
Liliane Maia
Coordenador de Logística e Distribuição
Raymundo Wanderley Lasmar
Produção
Renato Moraes
Projeto Gráfico – Jobast
Alberto Ribeiro
Antônio Carlos
Aurelino Bentes
Heimar de Oliveira
Mateus Borja
Paulo Alexandre
Rafael Degelo
Tony Otani
Editoração Eletrônica
Horácio Martins
Encarte referente ao curso pré-vestibular
Aprovar da Universidade do Estado do
Amazonas. Não pode ser vendido.
Este material didático, que será distribuído nos Postos de Atendimento (PAC) na capital e Escolas da Rede Estadual de Ensino, é
base para as aulas transmitidas diariamente (horário de Manaus), de segunda a sábado, nos seguintes meios de comunicação:
• TV Cultura (7h às 7h30); sábados: reprise às 23h Postos de distribuição:
• Amazon Sat (21h30 às 22h)
• RBN (13h às 13h30) reprise: 5h30 e 7h (satélite) • PAC São José – Alameda Cosme Ferreira – Shopping São José
• Rádio Rio Mar (19h às 19h30) • PAC Cidade Nova – Rua Noel Nutles, 1350 – Cidade Nova I
• Rádio Seis Irmãos do São Raimundo • PAC Compensa – Av. Brasil, 1325 – Compensa
(8h às 9h e reprise de 16h às 16h30) • PAC Porto – Rua Marquês de Santa Cruz, s/n.°
• Rádio Panorama de Itacoatiara (11h às 11h30) armazém 10 do Porto de Manaus – Centro
• Rádio Difusora de Itacoatiara (8h às 8h30) • PAC Alvorada – Rua desembargador João
• Rádio Comunitária Pedra Pintada de Itacoatiara Machado, 4922 – Planalto
(10h às 10h30) • PAC Educandos – Av. Beira Mar, s/nº – Educandos
• Rádio Santo Antônio de Borba (18h30 às 19h)
• Rádio Estação Rural de Tefé (19h às 19h30) – horário local
• Rádio Independência de Maués (6h às 6h30)
• Rádio Cultura (6h às 6h30 e reprise de 12h às 12h30)
• Centros e Núcleos da UEA (12h às 12h30)
www.uea.edu.br e www.linguativa.com.br
Endereço para correspondência: Projeto Aprovar – Reitoria da UEA – Av. Djalma Batista,
3578 - Flores. CEP 69050-010. Manaus-AM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário